sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Brotos Comestíveis




Publicamos no Youtube um vídeo sobre a produção caseira de brotos comestíveis.
Confira em:
http://www.youtube.com/watch?v=0zhm6vN0PuI




quarta-feira, 5 de agosto de 2009




Sacolinhas, parte II - Sacolinha é um saquinho?

Voltando ao tema sacolinhas, uma menção é necessária. Tornar obrigatórias as embalagens biodegradáveis pode ser uma medida interessante, mas não é primordial. O importante é a mudança de mentalidade!
O Ministério do Meio Ambiente lançou uma campanha com este intuito. O moto é simples, obvio e ótimo:

Saco é um saco!

Mas porque a mudança de mentalidade é o canal? Porque hoje a qualidade de uma loja ou produto está vinculada à qualidade de sua embalagem. Quanto melhor a loja mais elaborada e custosa é sua embalagem. Nessa noção, um supermercado que não fornecesse sacolas teria baixa qualidade, ou baixo atendimento ao cliente. Se cobrasse pelas sacolas, seria explorador e mesquinho.
Percebendo que o excesso de sacolas e embalagens é danoso, a economia desses recurso passa a ser vista pelo cliente como desejável e inteligente. O estabelecimento que racionaliza a embalagem, então, passa a ser visto com atualizado e consciente.

Mas saco é um saco?

De acordo com o próprio MMA, as sacolas plásticas de supermercado correspondem à unica opção das populações de baixa renda para encaminhamento do lixo. Estas pessoas não têm condições de comprar sacos apropriados, que são carérrimos.
Por este motivo, a eliminação das sacolas plásticas precisa ser pensada e gradual, considerando-se sempre a condição da população local, o impacto que a sacola causa ou que a falta dela causará. Medidas públicas precisam ser implementadas por etapas, comendo pelas beiradas para não queimar a língua:

Melhorar a qualidade das sacolas, evitando vazamento e possibilitando vários reusos;
Tornar obrigatória a sacola biodegradavel (já se sabe que elas não são tãooooo biodegradaveis assim, mas não causam tanto transtorno.)
Finalmente, cobrar o preço de custo da sacola, que é baixíssimo. Para estas populações de baixa renda o custo seria acessível mas estimularia a economia no uso.

Até a próxima, onde citarei alguns "causos de sucesso" que já vi por aqui, no campo da embalagem e da sacola de plastico.

Saiba mais:
http://blog.mma.gov.br/sacolasplasticas/a-campanha/